O Diário Económico pediu a 12 empresas para falarem da sua ligação às universidades.

CGD

Área comercial é prioridade

Licenciaturas e mestrados em Economia, Finanças, Gestão, Contabilidade, Marketing, Informática de Gestão, Banca e Seguros são as preferências da Caixa Geral de Depósitos quando o tema é a formação académica dos seus quadros, que têm, nesta instituição bancária a oportunidade de realizar estágios para fim de curso, se o requererem. “Cerca de 91% destes estágios ocorrem na rede comercial”, garante fonte oficial da empresa. Razão pela qual, a Caixa pretende candidatos com competências no âmbito do “relacionamento interpessoal, proactividade, negociação e persuasão de venda, sentido de responsabilidade e dinamismo.” A caixa tem protocolos com várias escolas (Universidades e Institutos politécnicos). J.M.


Montepio

Ligação privilegiada às universidades

Com uma forte ligação ao meio académico, o Montepio acolhe alunos de várias instituições universitárias para realizarem estágios, têm vários dos seus quadros a frequentar programas de formação de executivos em instituições de ensino superior, mas também colabora com alunos de mestrado e doutoramento nos seus programas de investigação, apoia a implementação de programas de pós-graduação e mestrado nas áreas da economia social e banca. As referências deste banco são a Porto Business School, Faculdade de Economia do Porto, ISCTE Business School, ISEG, Universidade Católica, Universidade Nova de Lisboa, Universidade de Coimbra, mas também Aveiro, Algarve, Trás-os-Montes e Alto Douro, Évora e Minho. J.M.


EDP

Candidatos são desafiafosa gerir um ‘business case’

A EDP tem três tipos de estágios: escolares/curriculares, de Verão e profissionais. “Os estágios são promovidos como forma de identificar jovens com o perfil desejado para o grupo”, diz fonte oficial da operadora. Para “atrair e captar jovens com potencial” nas instituições de ensino, a principal fonte de recrutamento, desenvolveu o programa de atractividade ‘On Top – EDP Recruitment Program’ e o ‘Power Trade Universidades” para finalistas de mestrado de Engenharia ou Gestão, “em que os alunos são desafiados a assumir o papel de gestores de topo e a resolver um ‘business case’. A EDP refere como exemplos de universidades onde costuma recrutar o IST, a Católica, a Nova e a Universidade do Porto. C.C.


Nestlé

Empresa em portugal recebe 40 estagiários por ano

A Nestlé recebe, por ano, cerca de 40 estagiários através do seu programa de estágios ou dos estágios curriculares, com as universidades com as quais tem protocolos, que, “muitas vezes, implicam o desenvolvimento de teses baseadas em ‘business cases’ da empresa”, diz Ana Gomes, a directora de recursos humanos da multinacional. Os jovens recrutados vêm maioritariamente da Nova, Católica, Porto (FEUP), Aveiro e ainda do ISCTE e do ISEG. A par das bases académicas, a Nestlé procura jovens “dinâmicos e proactivos, com gosto pela aprendizagem e pela execução, humildade para aprender, curiosos, empenhados, com gosto por desafios e pelo relacionamento baseado na confiança e respeito pelos outros”, explica Ana Gomes. C.C.


Ernst&young

Consultora valoriza formação multicultural

A Ernst&Young analisa caso a caso os pedidos que lhe chegam para estagiar na consultora. “Não temos esquemas de estágios massivos”, afirma Margarida Dias, a directora de recursos humanos. “Achamos que é essencial cuidar e garantir o enquadramento empresarial dos estudantes em estágio”, justifica ainda Margarida Dias. Contudo, os ‘roadshows’ pelas principais universidades de Lisboa, Coimbra e Porto “contribuem para a constituição do ‘pipeline’ de candidatos que avaliamos e ponderamos contratar, sublinha ainda a responsável. Para a Ernst&Young, é cada vez mais importante que um bom mestrado promova competências como a “multiculturalidade, fornecendo o contacto e intercâmbio de experiências
com outras culturas”. C.C.


PT

Grupo faz anualmente ‘roadshow’ nas universidades

A PT tem realizado, anualmente, um ‘roadshow’ pelas principais universidades portuguesas para divulgar os programas de recrutamento que tem, nomeadamente o Trainees e as academias técnicas, e “assim captar melhor o talento”. Fonte oficial da operadora garante que o universo dos recém-diplomados é uma das fontes de recrutamento privilegiadas pela PT e tem sido “um catalisador do rejuvenescimento de quadros superiores”. As universidades preferenciais são as de referência: Católica, Técnico, ISEG, FEUP do Porto, Aveiro e FCT da Nova. A mesma fonte refere que o grupo “estará o mais disponível possível” para colaborar com as universidades em teses de mestrado dos alunos sobre a PT e os seus ramos de negócios. C.C.


Galp

Empresa aplica Teses de mestrado e doutoramento

A Galp participa em actividades e protocolos de cooperação com as universidades, oferecendo estágios e a possibilidade de as teses de mestrado e doutoramento poderem ser feitos na própria empresa ou com aplicações práticas na sua actividade. As oportunidades de estágio na empresa “variam, anualmente, consoante a aprovação do plano de recrutamento”, afirma fonte oficial, e a preferência vai para alunos de várias engenharias, como Mecânica, Química, Electrotécnica, Gestão Industrial e Ambiente, e área financeira.

De um bom mestrado, a Galp espera que, “além da transmissão de sólidos conteúdos académicos”, ensine os alunos “a pensar por si próprios e a criar valor no ambiente que os rodeia”, adianta a mesma fonte. C.C.


Santander Totta

188 vagas em 2012

Os estágios são a principal fonte de recrutamento no Santander Totta, através dos quais o banco conhece de modo aprofundado os talento identificado nas universidades. Só no ano passado, o Santander Totta abriu 188 vagas para estágios, alguns de âmbito curricular e das suas ‘master internships’. Até porque, o banco “privilegia relações próximas com todas as escolas de excelência, com especial atenção às vertentes de Economia e Gestão” e com um perfil muito específico: o Santader Totta procura jovens com “atitude, integridade, competência técnica, motivação para aprender, flexibilidade face à mudança, um misto de ambição e humildade, gosto pela actividade comercial, entusiasmo e dinamismo”, garante fonte oficial do banco. J.M.


Jerónimo martins

Actividades extra-curriculares podem fazer a diferença 

“Aspectos como a a experiência internacional, acções de voluntariado, integração em actividades académicas ou de tempos livres são cada vez mais valorizados” e podem fazer a diferença na escolha dos candidatos, diz Marta Maia, ‘Chief People Officer’ da Jerónimo Martins. O grupo recebe jovens através do Programa de Trainees e recruta “alunos de elevado potencial” das melhores universidades, frisa Marta Maia. Os alunos de licenciatura ficam afectos a funções de negócio mais operacionais e os de mestrado vão desempenhar funções mais estratégicas e de suporte ao ‘core business’. A Jerónimo Martins tem ainda um protocolo com a Universidade de Aveiro onde assegura estágios aos alunos da licenciatura em Comércio. C.C.


Sonae

Desafios aos finalistas para resolver com criatividade

O programa “Call for solutions”, orientado para finalistas de mestrado, convida os jovens a irem a Sonae “resolver de forma criativa desafios propostos pelo negócio, durante quatro a cinco meses”, afirma fonte oficial da empresa. “Permitimos, assim, o desenvolvimento sustentado da sua tese de mestrado, detectando e identificando talento entre os participantes”, acrescenta a mesma fonte. O recrutamento é feito ‘online’ através da Rede Contacto. A empresa tem parcerias com diversas universidades e lança o repto: qualquer formação académica deve “compreender uma forte componente prática”. A Sonae tem também estágios curriculares e procura “perfis curiosos, desafiantes, ambiciosos, criativos e orientados para a excelência”. C.C.


Millennium bcp

Crescer com o banco

Estágios de verão, jogos que simulam a gestão de uma sucursal do banco, seminários e workshops com responsáveis de áreas-chave. Estas são apenas algumas das actividades que fazem parte do “Come and grow with us”, do Millennium BCP, um programa direccionado para os estudantes universitários a partir do segundo ano, que permite, que a par do percurso académico, desenvolvam aprendizagens que os preparam para a sua integração profissional futura, no decorrer de cada ano lectivo. Imprescindivel para esta instituição bancária na hora de contratar é que “o colabor